Produtos Químicos Fracionados
Foram encontrados

28 produtos

nesta categoria
Filtrar Produtos
Nacional100455

Oxido de Cálcio, também conhecido como Cal Virgem, Cal viva.
Fórmula:  CaO
CAS: 130578-8  
Aspecto: Pó fino branco acizentado
Retenção: 400 mesh
Solubilidade: solúvel em água

UTILIZAÇÃO:
Usado na agricultura para diminuir a acidez do solo e também na preparação de argamassa na construção civil.

Também é utilizado nas indústrias de cerâmica e metalúrgica. 
 

MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal.
Evite o contato com os olhos, a pele ou a roupa.
Evite inspirar partículas aéreas use um meio de proteção das vias respiratórias quando houver possibilidade de exposição.
Lave a roupa antes de reutilizá-la.
Lave-se com água e sabão após manusear o produto.

100455
44
Cal Virgem (Óxido de Cálcio Malha 400) - 5 Kg
Nacional100339

2Kg - Enxofre em Pó
1Kg - Cal Virgem (Oxido de Cálcio)
(Faz 10 Litros da Calda Sulfocálcica)


Calda Sulfocálcia, apresenta ampla ação fungicida, inseticida e acaricida, sendo também considerada um fertilizante foliar conferido pelos polissulfetos de cálcio, fornecendo nutrientes às plantas, tais como cálcio e enxofre. Esta é uma alternativa orgânica para quem busca a produção livre de veneno. 


UTILIZAÇÃO
A calda sulfocálcica pode ser utilizada na maioria dos cultivos (salvo cucurbitáceas).
Os produtores orgânicos podem aproveitar os nutrientes da calda para tratar deficiências do solo. Além disso, ajuda a proteger o cultivo de tripes, cochonilhas, ferrugem, fungos, líquens, musgos e até insetos e vírus.
Embora não possa ser usada na época de florescimento das plantas e em mudas, a calda é recomendada no processo pós-poda, acelerando o processo de cicatrização dos troncos.
Ao pulverizar a calda sulfocálcica nas plantas, é importante que a planta seja atingida como um todo, desde a raiz até as suas folhas, protegendo ao máximo sua estrutura.
Os efeitos da calda possuem maior resultado quando utilizados de forma preventiva, principalmente quando relacionado às “pragas”. No entanto, é possível utiliza-la para reduzir o impacto de algumas doenças e assim evitar o uso de compostos químicos prejudiciais ao cultivo.


FORMULAÇÃO E PREPARO
2Kg de Enxofre em Pó
1Kg de Cal Virgem (Oxido de Cálcio)
20 Litros de Água
2 vasilhames de ferro ou latão
1 Areômetro de Baumé (°Bé)
Coador de Pano (organza ou voal)

Passo a Passo

Em um vasilhame de ferro ou latão, coloque para ferver 20 litros de agua.
No outro vasilhame, queime a cal em 1 litro de água morna.
O enxofre é diluido em um balde com água morna.
No momento em que a cal apagar (parar de borbulhar), aumente o fogo e aos poucos coloque a mistura de enxofre.
Acrescente então 10 litros de água fervente e faça uma marca no vasilhame, na altura dos 10 litros.
Mexa por cerca de 1 hora e adicione mais água fervente conforme for evaporando para manter o líquido no nível assinalado;
Após 1 hora de fervura a calda estará grossa e com uma tonalidade avermelhada.
Espere esfriar e meça com o areômetro a densidade do líquido. O ideal é que esteja entre 28°Bé e 32°Bé;
Antes de guardar a calda, filtre-a com o coador, para eliminar resquícios sólidos e não prejudicar o equipamento de pulverização;
Armazene em recipientes fechados e vedados (vidro ou plástico escuro) por até 60 dias 
em locais livres de umidade.

 

IMPORTANTE
Para produzir a calda sulfocálcica é necessário compreender que seu uso não deve ser associado com a calda bordalesa e que, caso seja necessário utilizar ambas as composições, recomenda-se um intervalo entre 30 e 40 dias entre as aplicações no cultivo.
Outro fator importante sobre a calda sulfocálcica é a sua densidade, pois é através dela que cada cultivo irá aproveitar os benefícios do biofertilizante.
Consulte sempre a densidade ideal para seu cultivo e dilua na quantidade de litros recomendada antes de borrifar. Caso contrário, as plantas podem acabar queimadas ou o efeito pode não ser tão satisfatório.


 

MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO
Todo o processo de produção e aplicação da calda sulfocálcica deve ser realizado com a ajuda de materiais de segurança e proteção, como luvas, óculos protetores e macacão.
Por se tratar de um composto de alta alcalinidade e alta corrosividade, é preciso que seja manuseado com cuidado e depositado apenas em locais adequados.
Após utilizar o pulverizador, é importante que o mesmo seja bem higienizado para que não fiquem resquícios da calda sulfocálcica em seu interior.

 

100339
44
Calda Sulfocálcica (2 Kg Enxofre + 1 Kg Cal Virgem)
100579

Hidróxido de cálcio, também conhecido como Cal Hidratada
Fórmula:  
Ca(OH)2
CAS: 130562-0

 


UTILIZAÇÃO:
Utilizado como agente floculador no tratamento de água e de efluentes, ingrediente de tintas, argamassa, gesso, asfalto e da cal utilizada em caiação e asfalto para construção civil.
Também é usado como base para neutralizar a acidez de certos tipos de solo e na produção de cloreto de cal e vidro.


 


Sulfato de Cobre ou Sulfato Cúprico é um composto químico.

Formula: CuSO4.5H2O
Peso Molecular: 249,68
CAS: 7758-99-8
Aspecto: Cristais azul, inodoro
Solubilidade: Em água

 


UTILIZAÇÃO
Utilizado na eliminação de fungos, sendo muito aplicado na agricultura e na jardinagem. É um dos principais componentes da calda bordalesa, usada na cultura frutífera contra a ferrugem, uma doença fúngica.
Uma outra aplicação do produto é na composição de cheshunt, uma mistura de sulfato de cobre e carbonato de amônio, sendo aplicada na horticultura para evitar a queda das folhas das plantas.
Na agricultura, o seu uso não é exatamente como herbicida, mas sim para o controle de plantas aquáticas exóticas invasivas e contra raízes de outras plantas invasivas próximas a encanamento de água.
A forma diluída do sulfato de cobre é utilizada para o tratamento de infecções de parasitas em peixes de aquário, servindo também para remover caracóis desses ambientes. A dosagem, no entanto, deve ser muito bem controlada, uma vez que os íons de cobre são bastante tóxicos para os peixes.
Outras aplicações, como o tratamento de água de piscinas, coloração de vidro, processamento de couro e de têxteis, pirotecnia e ainda como colorante verde.
Na pecuária, é usado para banho das patas dos animais para endurecimento dos cascos, reduzindo a incidência de coxeadura. Embora seja tóxico para pequenos animais, nos animais de maior porte não apresenta qualquer contraindicação.

 

 

 

100579
44
Kit Calda Bordalesa - 40 Kg
Nacional100099

Kit para Tratamento de Madeira - 200 Litros
(Tratamento de Madeira Eucalipto, Mourões e Palanques).

Produtos e quantidades que compõem o Kit são enviados misturados prontos para diluição:
1800 g - Dicromato de Sódio
1700 g - Sulfato de Cobre
1300 g - Ácido Bórico


Para atender à crescente demanda por madeira de boa durabilidade, pode-se fazer o tratamento preservativo em madeiras de espécies plantadas e de crescimento rápido; todavia com baixa durabilidade natural (eucalipto, pinus, bambu, etc.).

Um dos métodos utilizados para o tratamento de mourões é o de substituição de seiva que proporciona bons resultados quando aplicado em madeira de baixa durabilidade. Tal método aumenta a durabilidade do mourão em cerca de 5 vezes, ou seja, um mourão de eucalipto tratado por esse método terá vida útil entre 15 e 20 anos. 

PREPARO DOS MOURÕES
Os mourões devem ser obtidos de árvores retas, roliças e com poucos galhos e devem ser preparados logo após o corte da árvore (máximo 24 horas), seguindo-se os seguintes procedimentos:
1) Cortar o mourão no comprimento desejado e fazer um corte chanfrado na extremidade superior.
2) Eliminar os ramos laterais (se existirem), deixando um pequeno pedaço até o final do tratamento.
3) Descascar os mourões com cuidado para não ferir o albumo, por meio de batidas com bastões de madeira roliça.


LOCAL E RECIPIENTE PARA O TRATAMENTO
O local para tratamento deve ser bem ventilado e deve oferecer proteção contra chuva e sol.
É fundamental que o recipiente a ser usado nesse tratamento seja bem vedado, como exemplo, podem ser utilizados tambores de plásticos ou de latão (200 litros), sendo que os plásticos têm maior custo inicial, porém maior durabilidade.

MELHOR ÉPOCA PARA O TRATAMENTO
Este tratamento pode ser feito durante todo o ano, desde que se tenham os cuidados em relação ao local para o tratamento (item anterior). Além disso, recomenda-se fazer os tratamentos nas estações do ano em que a umidade relativa é baixa (meses sem R), para acelerar a absorção da solução.


LEMBRETES IMPORTANTES
No verão, caso apareçam traças furando a madeira já tratada (orifício de postura), devem-se adicionar, nos próximos tratamentos, 30mL de inseticida piretróide (Decis 25 ou Buldok) à solução preservadora.


PREPARO DA SOLUÇÃO PARA O TRATAMENTO
Dissolver 2,4 Kg do composto AUROSTRAT MAD em 100 litros de água.
Acrescentar  50ml de vinagre para estabilizar a solução.
Agitar bastante com o bastão de madeira.
Coloque os mourões na solução, e em seguida, o óleo queimado para evitar a evaporação.


CONDUÇÃO DO TRATAMENTO

Colocar os mourões em pé (com a ponta chanfrada para cima) dentro do recipiente.
Adicionar a solução preservante de forma que atinja uma altura de aproximadamente 60 cm (altura a ser enterrada + 20 cm). Este nível deverá ser mantido até o final do tratamento.
Número de mourões a serem tratados com 100 litros de solução: valores estes aproximados.

 

Alt / Diâmetro

8 cm

9 cm

10 cm

11 cm

12 cm

13 cm

14 cm

15 cm

1,80 m

44

33

27

21

18

16

14

12

2,00 m

38

29

24

20

17

14

12

10

2,20 m

34

27

22

18

15

13

11

9

2,50 m

30

24

19

16

13

11

10

8

100 Litros da solução tratam aproximadamente 0,380 m³ de madeira.

 

100099
44
Tratamento de Madeira - 200 Litros | 2 Sacos 2,4 Kg
Nacional154

*** Produto Exclusivo para Uso Profissional ***

É aplicado em indústrias química como catalisador e clarificação de produtos em geral, oxidantes.
Utilizado também no tratamento de efluentes líquidos ou estações de tratamento de água.
Em indústrias metalúrgicas, têxtil, papel e celulose, mineração, óleos e gorduras e couro.

 

MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal.
Evite o contato com os olhos, a pele ou a roupa.
Evite inspirar partículas aéreas use um meio de proteção das vias respiratórias quando houver possibilidade de exposição.
Lave a roupa contaminada antes de reutilizá-la.
Lave-se cuidadosamente com água e sabão após manusear o produto.

154
44
Água Oxigenada 50% 200V - 5 Litros
Nacional100373

*** Produto Exclusivo para Uso Profissional ***

É aplicado em indústrias química como catalisador e clarificação de produtos em geral, oxidantes.
Utilizado também no tratamento de efluentes líquidos ou estações de tratamento de água.
Em indústrias metalúrgicas, têxtil, papel e celulose, mineração, óleos e gorduras e couro.

 


MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal.
Evite o contato com os olhos, a pele ou a roupa.
Evite inspirar partículas aéreas use um meio de proteção das vias respiratórias quando houver possibilidade de exposição.
Lave a roupa contaminada antes de reutilizá-la.
Lave-se cuidadosamente com água e sabão após manusear o produto.

 

100373
44
Água Oxigenada 50% 200V - 1 Litro
Importado100267

Sulfato de Cobalto Heptahidratado

Fórmula: CoSO4 7H2O 
CAS: 10026-24-1
Aspecto: Microcristal vermelho, inodoro
Peso Molecular: 281,10
Solubilidade: Em água

 

UTILIZAÇÃO
Micronutrientes para agricultura, suplemento mineral em ração de animais, secante em tinta litográfica, vernizes, cerâmica, esmaltes, pigmentos para decoração de porcelana, fabricação de secantes para tintas, catalisadores para poliéster.

 

MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal. 
Evite o contato com os olhos.
Lave-se com água e sabão após manusear o produto.

100267
44
Sulfato de Cobalto - 5 Kg
Importado100265

Sulfato de Cobalto Heptahidratado

Fórmula: CoSO4 7H2O 
CAS: 10026-24-1
Aspecto: Microcristal vermelho, inodoro
Peso Molecular: 281,10
Solubilidade: Em água

 

UTILIZAÇÃO
Micronutrientes para agricultura, suplemento mineral em ração de animais, secante em tinta litográfica, vernizes, cerâmica, esmaltes, pigmentos para decoração de porcelana, fabricação de secantes para tintas, catalisadores para poliéster.

 

MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal. 
Evite o contato com os olhos.
Lave-se com água e sabão após manusear o produto.

100265
44
Sulfato de Cobalto - 1 Kg
Nacional100249

500g - Sulfato de Cobre Penta-hidratado
500g - Cal Hidratada


 

Calda Bordalesa é também um tradicional fungicida agrícola, resultado da mistura simples de sulfato de cobre, cal e água. Apresenta eficiência comprovada sobre diversas doenças fúngicas e também ação contra bactérias e repelência para diversas pragas. Oferece elevada resistência à inoculação e às chuvas. Ela não deve ser misturada a outros defensivos agrícolas, devido a sua elevada alcalinidade. A metodologia da aplicação e o preparo da calda são importantes para o êxito do tratamento, assim como a concentração e a qualidade dos ingredientes.
 

Formulação e Preparo
Utilizando-se recipientes não metálicos e considerando-se para 1 litro de calda a 1% (1:1:100), temos: 10g de sulfato de cobre em pó, 10g de cal (a 95%) e 1 litro de água em temperatura ambiente.

Considerando que o Kit é composto por 500 Kg de cada produto, é possível fabricar até 50 Litros.

sulfato de cobre é fechado em um saco de pano poroso e deixado imerso em 0,5 litro de água por 24 horas para a completa dissolução dos cristais. Vinte e quatro horas representam um tempo seguro de diluição para a maioria das condições. Em outro recipiente é feita a reação da cal com pequenas quantidades de água; à medida que a cal "queima" segue-se adicionando água até completar 0,5 litro. Em um terceiro recipiente as duas soluções devem ser misturadas. Deve se acrescentar aos poucos a mistura de sulfato de cobre à de cal, sempre agitando fortemente com um utensílio não metálico. Devemos sempre adicionar o ácido (Sulfato de cobre) à base (Cal) devagar para evitar reação de aquecimento.


Calda Bordalesa (Pronta para Uso)
Neste ponto a mistura deveria estar neutra ou, de preferência, levemente alcalina para evitar a fitotoxicidade provocada pelo sulfato de cobre livre.
Certifica-se, medindo o pH da calda, com um 
pHmetro ou outro meio indicativo. Pode-se, por exemplo, improvisar uma checagem da acidez através de um objeto metálico, como uma faca de aço. Para tanto, mergulha-se a faca por 2 ou 3 minutos no preparado. Se a faca escurecer, isto indica acidez excessiva. Neste caso seria necessário elevar o pH, adicionando-se mais mistura de cal à calda.
Quando preparada, essa calda tem validade de três dias.


Tratamento
A mistura atua por meio dos íons de Cobre (Cu2+). Estes íons afetam as enzimas dos esporos do fungo de tal forma que impede o seu desenvolvimento. Sendo assim, a Calda Bordalesa deveria ser usada preventivamente antes do estabelecimento de doenças fúngicas. 
Recomenda-se o uso com cautela, evitando-se abusos nas quantidades. Na realidade cada espécie de planta apresenta uma sensibilidade e necessidade específica de concentração desse preparado. Contudo, como regra genérica, a fórmula acima é indicada para a maioria das plantas adultas, enquanto no caso de mudas ou brotações prescreve-se diluir essa mistura a 50% com água.


Pulverizadores agrícola e doméstico
Fazendo uso de um pulverizador, ministra-se o produto em dia ensolarado, e assim borrifando a planta inteiramente.É prudente uma pré-filtragem na calda para evitar entupimentos no equipamento de aspersão.
Feita a calda ela tende a se oxidar, por isso deve ser aplicada em 24 horas para melhor eficácia e repetido, ao menos uma vez, o tratamento a cada 15 dias. 
Complementando este procedimento, costuma-se obter melhor resultado quando as partes da planta, afetadas pela doença, são podadas antes da pulverização. Porém é preciso antes estudar se a espécie, em questão, pode ser podada sem prejuízo a sua particular fisiologia. Sendo que as partes extirpadas devem ser, de preferência, incineradas.


IMPORTANTE
Para produzir a calda bordalesa é necessário compreender que seu uso não deve ser associado com a calda sulfocálcica e que, caso seja necessário utilizar ambas as composições, recomenda-se um intervalo entre 30 e 40 dias entre as aplicações no cultivo.


Cuidados com o seu uso
O sulfato de cobre desequilibra o ambiente através da lixiviação do solo. Com isso o cobre tende a se acumular danosamente na terra. A calda, em excesso, polui os rios, prejudica os peixes e criações de animais.
Ela extermina por completo as 
minhocas no solo, que são benéficas em qualquer cultivo saudável e imprescindíveis na agricultura orgânica
A calda bordalesa é um produto com certo grau de toxidade. Desta forma, frutas, sementes, folhas, etc. que foram tratadas com esse preparado devem ser evitados e não ingeridos.
Embora seja de baixa 
volatilidade, ela pode produzir irritações na pele e mucosas quando em contato direto com o corpo. Sendo assim, como na maioria das aplicações de produtos agrícolas, durante sua manipulação é necessário seguir procedimentos padrões de segurança. Ou seja, deve-se usar trajes apropriados e cuidados como luvas impermeáveis, máscaras de proteção e botas de borracha.

100249
44
Calda Bordalesa (Sulfato Cobre 500g + Cal Hidratada 500g)
Nacional100223

2 Kg - Sulfato de Cobre Penta-hidratado
2 Kg - Cal Hidratada

 

Calda Bordalesa é também um tradicional fungicida agrícola, resultado da mistura simples de sulfato de cobre, cal e água. Apresenta eficiência comprovada sobre diversas doenças fúngicas e também ação contra bactérias e repelência para diversas pragas. Oferece elevada resistência à inoculação e às chuvas. Ela não deve ser misturada a outros defensivos agrícolas, devido a sua elevada alcalinidade. A metodologia da aplicação e o preparo da calda são importantes para o êxito do tratamento, assim como a concentração e a qualidade dos ingredientes.
 

Formulação e Preparo
Utilizando-se recipientes não metálicos e considerando-se para 1 litro de calda a 1% (1:1:100), temos: 10g de sulfato de cobre em pó, 10g de cal (a 95%) e 1 litro de água em temperatura ambiente.

Considerando que o Kit é composto por 2 Kg de cada produto, é possível fabricar até 200 Litros. 

sulfato de cobre é fechado em um saco de pano poroso e deixado imerso em 0,5 litro de água por 24 horas para a completa dissolução dos cristais. Vinte e quatro horas representam um tempo seguro de diluição para a maioria das condições. Em outro recipiente é feita a reação da cal com pequenas quantidades de água; à medida que a cal "queima" segue-se adicionando água até completar 0,5 litro. Em um terceiro recipiente as duas soluções devem ser misturadas. Deve se acrescentar aos poucos a mistura de sulfato de cobre à de cal, sempre agitando fortemente com um utensílio não metálico. Devemos sempre adicionar o ácido (Sulfato de cobre) à base (Cal) devagar para evitar reação de aquecimento.


Calda Bordalesa (Pronta para Uso)
Neste ponto a mistura deveria estar neutra ou, de preferência, levemente alcalina para evitar a fitotoxicidade provocada pelo sulfato de cobre livre.
Certifica-se, medindo o pH da calda, com um 
pHmetro ou outro meio indicativo. Pode-se, por exemplo, improvisar uma checagem da acidez através de um objeto metálico, como uma faca de aço. Para tanto, mergulha-se a faca por 2 ou 3 minutos no preparado. Se a faca escurecer, isto indica acidez excessiva. Neste caso seria necessário elevar o pH, adicionando-se mais mistura de cal à calda.
Quando preparada, essa calda tem validade de três dias.


Tratamento
A mistura atua por meio dos íons de Cobre (Cu2+). Estes íons afetam as enzimas dos esporos do fungo de tal forma que impede o seu desenvolvimento. Sendo assim, a Calda Bordalesa deveria ser usada preventivamente antes do estabelecimento de doenças fúngicas. 
Recomenda-se o uso com cautela, evitando-se abusos nas quantidades. Na realidade cada espécie de planta apresenta uma sensibilidade e necessidade específica de concentração desse preparado. Contudo, como regra genérica, a fórmula acima é indicada para a maioria das plantas adultas, enquanto no caso de mudas ou brotações prescreve-se diluir essa mistura a 50% com água.


Pulverizadores agrícola e doméstico
Fazendo uso de um pulverizador, ministra-se o produto em dia ensolarado, e assim borrifando a planta inteiramente.É prudente uma pré-filtragem na calda para evitar entupimentos no equipamento de aspersão.
Feita a calda ela tende a se oxidar, por isso deve ser aplicada em 24 horas para melhor eficácia e repetido, ao menos uma vez, o tratamento a cada 15 dias. 
Complementando este procedimento, costuma-se obter melhor resultado quando as partes da planta, afetadas pela doença, são podadas antes da pulverização. Porém é preciso antes estudar se a espécie, em questão, pode ser podada sem prejuízo a sua particular fisiologia. Sendo que as partes extirpadas devem ser, de preferência, incineradas.


IMPORTANTE
Para produzir a calda bordalesa é necessário compreender que seu uso não deve ser associado com a calda sulfocálcica e que, caso seja necessário utilizar ambas as composições, recomenda-se um intervalo entre 30 e 40 dias entre as aplicações no cultivo.


Cuidados com o seu uso
O sulfato de cobre desequilibra o ambiente através da lixiviação do solo. Com isso o cobre tende a se acumular danosamente na terra. A calda, em excesso, polui os rios, prejudica os peixes e criações de animais.
Ela extermina por completo as 
minhocas no solo, que são benéficas em qualquer cultivo saudável e imprescindíveis na agricultura orgânica
A calda bordalesa é um produto com certo grau de toxidade. Desta forma, frutas, sementes, folhas, etc. que foram tratadas com esse preparado devem ser evitados e não ingeridos.
Embora seja de baixa 
volatilidade, ela pode produzir irritações na pele e mucosas quando em contato direto com o corpo. Sendo assim, como na maioria das aplicações de produtos agrícolas, durante sua manipulação é necessário seguir procedimentos padrões de segurança. Ou seja, deve-se usar trajes apropriados e cuidados como luvas impermeáveis, máscaras de proteção e botas de borracha.

100223
44
Calda Bordalesa (Sulfato Cobre 2 Kg + Cal Hidratada 2 Kg)
AurosQuímica100208

Borax também conhecido por borato de sódio é um mineral muito usado na indústria, já que possui diversas utilidades.

Formula Molecular: Na2B4O7.10 H2O
CAS Nº: 1303-96-4
Peso Molecular: 381,37 
Aspecto: Solido branco, inodoro
Solubilidade: Em Água


UTILIZAÇÃO
Em tratamentos termoquímicos na produção de materiais metálicos.
Em curtumes, para limpeza do couro.
Na produção de diversos inseticidas.

Na produção de detergentes, desinfetantes, sabão e pesticidas.
Na limpeza de metais, dissolvendo os óxidos metálicos.
Na fabricação de esmaltes para porcelanas.
Na fabricação de vidros resistentes a temperaturas elevadas e vidros óticos.
No tratamento de lã de ovelha, quando usada para isolamento térmico.
Em química analítica.
No processo de diafanização de animais para pesquisa científica.
Como fertilizante para nutrição de plantas.
Na fabricação de instrumentos e corte artesanais, como facas e espadas.
Na composição de fundente em fundição de ouro.



MEDIDAS APROPRIADAS DE MANUSEIO:
Use equipamento de proteção pessoal. 
Evite o contato com os olhos.
Lave a roupa contaminada antes de reutilizá-la.
Lave as mãos com água e sabão após manusear o produto.

100208
44
Borax Decahidratado - 1 Kg
AurosQuímica100207

Kit para Tratamento de Madeira - 10000 Litros | 10 Sacos com 24 Kg cada
(Tratamento de Madeira Eucalipto, Mourões e Palanques).

Produtos e quantidades que compõem o Kit são enviados misturados prontos para diluição:
90 Kg - Dicromato de Sódio
85 Kg - Sulfato de Cobre
65 Kg - Ácido Bórico

Para atender à crescente demanda por madeira de boa durabilidade, pode-se fazer o tratamento preservativo em madeiras de espécies plantadas e de crescimento rápido; todavia com baixa durabilidade natural (eucalipto, pinus, bambu, etc.).

Um dos métodos utilizados para o tratamento de mourões é o de substituição de seiva que proporciona bons resultados quando aplicado em madeira de baixa durabilidade. Tal método aumenta a durabilidade do mourão em cerca de 5 vezes, ou seja, um mourão de eucalipto tratado por esse método terá vida útil entre 15 e 20 anos. 

PREPARO DOS MOURÕES
Os mourões devem ser obtidos de árvores retas, roliças e com poucos galhos e devem ser preparados logo após o corte da árvore (máximo 24 horas), seguindo-se os seguintes procedimentos:
1) Cortar o mourão no comprimento desejado e fazer um corte chanfrado na extremidade superior.
2) Eliminar os ramos laterais (se existirem), deixando um pequeno pedaço até o final do tratamento.
3) Descascar os mourões com cuidado para não ferir o albumo, por meio de batidas com bastões de madeira roliça.


LOCAL E RECIPIENTE PARA O TRATAMENTO
O local para tratamento deve ser bem ventilado e deve oferecer proteção contra chuva e sol.
É fundamental que o recipiente a ser usado nesse tratamento seja bem vedado, como exemplo, podem ser utilizados tambores de plásticos ou de latão (200 litros), sendo que os plásticos têm maior custo inicial, porém maior durabilidade.

MELHOR ÉPOCA PARA O TRATAMENTO
Este tratamento pode ser feito durante todo o ano, desde que se tenham os cuidados em relação ao local para o tratamento (item anterior). Além disso, recomenda-se fazer os tratamentos nas estações do ano em que a umidade relativa é baixa (meses sem R), para acelerar a absorção da solução.


LEMBRETES IMPORTANTES
No verão, caso apareçam traças furando a madeira já tratada (orifício de postura), devem-se adicionar, nos próximos tratamentos, 30mL de inseticida piretróide (Decis 25 ou Buldok) à solução preservadora.


PREPARO DA SOLUÇÃO PARA O TRATAMENTO
Dissolver 2,4 Kg do composto AUROSTRAT MAD em 100 litros de água.
Acrescentar  50ml de vinagre para estabilizar a solução.
Agitar bastante com o bastão de madeira.
Coloque os mourões na solução, e em seguida, o óleo queimado para evitar a evaporação.


CONDUÇÃO DO TRATAMENTO

Colocar os mourões em pé (com a ponta chanfrada para cima) dentro do recipiente.
Adicionar a solução preservante de forma que atinja uma altura de aproximadamente 60 cm (altura a ser enterrada + 20 cm). Este nível deverá ser mantido até o final do tratamento.
Número de mourões a serem tratados com 100 litros de solução: valores estes aproximados.

 

Alt / Diâmetro

8 cm

9 cm

10 cm

11 cm

12 cm

13 cm

14 cm

15 cm

1,80 m

44

33

27

21

18

16

14

12

2,00 m

38

29

24

20

17

14

12

10

2,20 m

34

27

22

18

15

13

11

9

2,50 m

30

24

19

16

13

11

10

8

100 Litros da solução tratam aproximadamente 0,380 m³ de madeira.

100207
44
Tratamento de Madeira - 10000 Litros | 240 Kg
Nacional100113

5 Kg - Sulfato de Cobre Penta-hidratado
5 Kg - Cal Hidratada

 

Calda Bordalesa é também um tradicional fungicida agrícola, resultado da mistura simples de sulfato de cobre, cal e água. Apresenta eficiência comprovada sobre diversas doenças fúngicas e também ação contra bactérias e repelência para diversas pragas. Oferece elevada resistência à inoculação e às chuvas. Ela não deve ser misturada a outros defensivos agrícolas, devido a sua elevada alcalinidade. A metodologia da aplicação e o preparo da calda são importantes para o êxito do tratamento, assim como a concentração e a qualidade dos ingredientes.
 

Formulação e Preparo
Utilizando-se recipientes não metálicos e considerando-se para 1 litro de calda a 1% (1:1:100), temos: 10g de sulfato de cobre em pó, 10g de cal (a 95%) e 1 litro de água em temperatura ambiente.

Considerando que o Kit é composto por 5 Kg de cada produto, é possível fabricar até 500 Litros.

sulfato de cobre é fechado em um saco de pano poroso e deixado imerso em 0,5 litro de água por 24 horas para a completa dissolução dos cristais. Vinte e quatro horas representam um tempo seguro de diluição para a maioria das condições. Em outro recipiente é feita a reação da cal com pequenas quantidades de água; à medida que a cal "queima" segue-se adicionando água até completar 0,5 litro. Em um terceiro recipiente as duas soluções devem ser misturadas. Deve se acrescentar aos poucos a mistura de sulfato de cobre à de cal, sempre agitando fortemente com um utensílio não metálico. Devemos sempre adicionar o ácido (Sulfato de cobre) à base (Cal) devagar para evitar reação de aquecimento.


Calda Bordalesa (Pronta para Uso)
Neste ponto a mistura deveria estar neutra ou, de preferência, levemente alcalina para evitar a fitotoxicidade provocada pelo sulfato de cobre livre.
Certifica-se, medindo o pH da calda, com um 
pHmetro ou outro meio indicativo. Pode-se, por exemplo, improvisar uma checagem da acidez através de um objeto metálico, como uma faca de aço. Para tanto, mergulha-se a faca por 2 ou 3 minutos no preparado. Se a faca escurecer, isto indica acidez excessiva. Neste caso seria necessário elevar o pH, adicionando-se mais mistura de cal à calda.
Quando preparada, essa calda tem validade de três dias.


Tratamento
A mistura atua por meio dos íons de Cobre (Cu2+). Estes íons afetam as enzimas dos esporos do fungo de tal forma que impede o seu desenvolvimento. Sendo assim, a Calda Bordalesa deveria ser usada preventivamente antes do estabelecimento de doenças fúngicas. 
Recomenda-se o uso com cautela, evitando-se abusos nas quantidades. Na realidade cada espécie de planta apresenta uma sensibilidade e necessidade específica de concentração desse preparado. Contudo, como regra genérica, a fórmula acima é indicada para a maioria das plantas adultas, enquanto no caso de mudas ou brotações prescreve-se diluir essa mistura a 50% com água.


Pulverizadores agrícola e doméstico
Fazendo uso de um pulverizador, ministra-se o produto em dia ensolarado, e assim borrifando a planta inteiramente.É prudente uma pré-filtragem na calda para evitar entupimentos no equipamento de aspersão.
Feita a calda ela tende a se oxidar, por isso deve ser aplicada em 24 horas para melhor eficácia e repetido, ao menos uma vez, o tratamento a cada 15 dias. 
Complementando este procedimento, costuma-se obter melhor resultado quando as partes da planta, afetadas pela doença, são podadas antes da pulverização. Porém é preciso antes estudar se a espécie, em questão, pode ser podada sem prejuízo a sua particular fisiologia. Sendo que as partes extirpadas devem ser, de preferência, incineradas.


IMPORTANTE
Para produzir a calda bordalesa é necessário compreender que seu uso não deve ser associado com a calda sulfocálcica e que, caso seja necessário utilizar ambas as composições, recomenda-se um intervalo entre 30 e 40 dias entre as aplicações no cultivo.


Cuidados com o seu uso
O sulfato de cobre desequilibra o ambiente através da lixiviação do solo. Com isso o cobre tende a se acumular danosamente na terra. A calda, em excesso, polui os rios, prejudica os peixes e criações de animais.
Ela extermina por completo as 
minhocas no solo, que são benéficas em qualquer cultivo saudável e imprescindíveis na agricultura orgânica
A calda bordalesa é um produto com certo grau de toxidade. Desta forma, frutas, sementes, folhas, etc. que foram tratadas com esse preparado devem ser evitados e não ingeridos.
Embora seja de baixa 
volatilidade, ela pode produzir irritações na pele e mucosas quando em contato direto com o corpo. Sendo assim, como na maioria das aplicações de produtos agrícolas, durante sua manipulação é necessário seguir procedimentos padrões de segurança. Ou seja, deve-se usar trajes apropriados e cuidados como luvas impermeáveis, máscaras de proteção e botas de borracha.

100113
44
Calda Bordalesa (Sulfato Cobre 5 Kg + Cal Hidratada 5 Kg)
AurosQuímica100075

Kit para Tratamento de Madeira - 500 Litros  5 Kits com 2,4 Kg cada
(Tratamento de Madeira Eucalipto, Mourões e Palanques).

Produtos e quantidades que compõem o Kit são enviados misturados prontos para diluição.
4,5  Kg - Dicromato de Sódio
4,25 Kg - Sulfato de Cobre
3,25 Kg - Ácido Bórico
 

Para atender à crescente demanda por madeira de boa durabilidade, pode-se fazer o tratamento preservativo em madeiras de espécies plantadas e de crescimento rápido; todavia com baixa durabilidade natural (eucalipto, pinus, bambu, etc.).

Um dos métodos utilizados para o tratamento de mourões é o de substituição de seiva que proporciona bons resultados quando aplicado em madeira de baixa durabilidade. Tal método aumenta a durabilidade do mourão em cerca de 5 vezes, ou seja, um mourão de eucalipto tratado por esse método terá vida útil entre 15 e 20 anos. 

PREPARO DOS MOURÕES
Os mourões devem ser obtidos de árvores retas, roliças e com poucos galhos e devem ser preparados logo após o corte da árvore (máximo 24 horas), seguindo-se os seguintes procedimentos:
1) Cortar o mourão no comprimento desejado e fazer um corte chanfrado na extremidade superior.
2) Eliminar os ramos laterais (se existirem), deixando um pequeno pedaço até o final do tratamento.
3) Descascar os mourões com cuidado para não ferir o albumo, por meio de batidas com bastões de madeira roliça.


LOCAL E RECIPIENTE PARA O TRATAMENTO
O local para tratamento deve ser bem ventilado e deve oferecer proteção contra chuva e sol.

É fundamental que o recipiente a ser usado nesse tratamento seja bem vedado, como exemplo, podem ser utilizados tambores de plásticos ou de latão (200 litros), sendo que os plásticos têm maior custo inicial, porém maior durabilidade.

MELHOR ÉPOCA PARA O TRATAMENTO
Este tratamento pode ser feito durante todo o ano, desde que se tenham os cuidados em relação ao local para o tratamento (item anterior). Além disso, recomenda-se fazer os tratamentos nas estações do ano em que a umidade relativa é baixa (meses sem R), para acelerar a absorção da solução.


LEMBRETES IMPORTANTES
No verão, caso apareçam traças furando a madeira já tratada (orifício de postura), devem-se adicionar, nos próximos tratamentos, 30mL de inseticida piretróide (Decis 25 ou Buldok) à solução preservadora.


PREPARO DA SOLUÇÃO PARA O TRATAMENTO

Dissolver 2,4 Kg do composto AUROSTRAT MAD em 100 litros de água.
Acrescentar  50ml de vinagre para estabilizar a solução.
Agitar bastante com o bastão de madeira.
Coloque os mourões na solução, e em seguida, o óleo queimado para evitar a evaporação.


CONDUÇÃO DO TRATAMENTO

  1. Colocar os mourões em pé (com a ponta chanfrada para cima) dentro do recipiente.
  2. Adicionar a solução preservante de forma que atinja uma altura de aproximadamente 60 cm (altura a ser enterrada + 20 cm). Este nível deverá ser mantido até o final do tratamento.
  3. Número de mourões a serem tratados com 100 litros de solução: valores estes aproximados.
     
Alt / Diâmetro8 cm9 cm10 cm11 cm12 cm13 cm14 cm15 cm
1,80 m4433272118161412
2,00 m3829242017141210
2,20 m342722181513119
2,50 m302419161311108

100 Litros da solução tratam aproximadamente 0,380 m³ de madeira.

100075
44
Tratamento De Madeira - 500 Litros | 5 Sacos 2,4 Kg
AurosQuímica100025

Kit para Tratamento de Madeira - 1000 Litros | 10 Kits com 2,4 Kg cada
(Tratamento de Madeira Eucalipto, Mourões e Palanques).

Produtos e quantidades que compõem o Kit são enviados misturados prontos para diluição:
9 Kg - Dicromato de Sódio
8,5 Kg - Sulfato de Cobre
6,5 Kg - Ácido Bórico

Para atender à crescente demanda por madeira de boa durabilidade, pode-se fazer o tratamento preservativo em madeiras de espécies plantadas e de crescimento rápido; todavia com baixa durabilidade natural (eucalipto, pinus, bambu, etc.).

Um dos métodos utilizados para o tratamento de mourões é o de substituição de seiva que proporciona bons resultados quando aplicado em madeira de baixa durabilidade. Tal método aumenta a durabilidade do mourão em cerca de 5 vezes, ou seja, um mourão de eucalipto tratado por esse método terá vida útil entre 15 e 20 anos. 

PREPARO DOS MOURÕES
Os mourões devem ser obtidos de árvores retas, roliças e com poucos galhos e devem ser preparados logo após o corte da árvore (máximo 24 horas), seguindo-se os seguintes procedimentos:
1) Cortar o mourão no comprimento desejado e fazer um corte chanfrado na extremidade superior.
2) Eliminar os ramos laterais (se existirem), deixando um pequeno pedaço até o final do tratamento.
3) Descascar os mourões com cuidado para não ferir o albumo, por meio de batidas com bastões de madeira roliça.


LOCAL E RECIPIENTE PARA O TRATAMENTO
O local para tratamento deve ser bem ventilado e deve oferecer proteção contra chuva e sol.
É fundamental que o recipiente a ser usado nesse tratamento seja bem vedado, como exemplo, podem ser utilizados tambores de plásticos ou de latão (200 litros), sendo que os plásticos têm maior custo inicial, porém maior durabilidade.

MELHOR ÉPOCA PARA O TRATAMENTO
Este tratamento pode ser feito durante todo o ano, desde que se tenham os cuidados em relação ao local para o tratamento (item anterior). Além disso, recomenda-se fazer os tratamentos nas estações do ano em que a umidade relativa é baixa (meses sem R), para acelerar a absorção da solução.


LEMBRETES IMPORTANTES
No verão, caso apareçam traças furando a madeira já tratada (orifício de postura), devem-se adicionar, nos próximos tratamentos, 30mL de inseticida piretróide (Decis 25 ou Buldok) à solução preservadora.


PREPARO DA SOLUÇÃO PARA O TRATAMENTO
Dissolver 2,4 Kg do composto AUROSTRAT MAD em 100 litros de água.
Acrescentar  50ml de vinagre para estabilizar a solução.
Agitar bastante com o bastão de madeira.
Coloque os mourões na solução, e em seguida, o óleo queimado para evitar a evaporação.


CONDUÇÃO DO TRATAMENTO

Colocar os mourões em pé (com a ponta chanfrada para cima) dentro do recipiente.
Adicionar a solução preservante de forma que atinja uma altura de aproximadamente 60 cm (altura a ser enterrada + 20 cm). Este nível deverá ser mantido até o final do tratamento.
Número de mourões a serem tratados com 100 litros de solução: valores estes aproximados.

 

Alt / Diâmetro

8 cm

9 cm

10 cm

11 cm

12 cm

13 cm

14 cm

15 cm

1,80 m

44

33

27

21

18

16

14

12

2,00 m

38

29

24

20

17

14

12

10

2,20 m

34

27

22

18

15

13

11

9

2,50 m

30

24

19

16

13

11

10

8

100 Litros da solução tratam aproximadamente 0,380 m³ de madeira.

100025
44
Tratamento de Madeira - 1000 Litros | 10 Sacos 2,4 Kg
Nacional1205

Kit Calda Viçosa - Rende 20 Litros

É um produto rico em sais minerais e cálcio, recomendado para aplicação foliar em diversas plantas, atendendo as suas carências nutricionais e prevenindo a ocorrência de diversas doenças nas plantas.
Tem baixa ação sobre o meio ambiente e ao homem. É indicada para um cultivo mais natural.

 

Dados da EMATER/RIO e da UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, mostram os seguintes resultados quanto á utilização da Calda Viçosa:
CAFÉ: controle de doenças e revigorante foliar
TOMATE: condução exclusiva com calda viçosa, com redução dos gastos com agrotóxicos (Sulfato de Cobre e Cal Hidratada a 1%)
GOIABA: bons resultados.
BANANA: Boa eficiência, devendo no entanto acrescentar 300 gramas de Cloreto de Potássio para cada 100 litros de água.
MARACUJÁ: bons resultados obtidos.
CAQUI: ótima vegetação e fixação dos frutos.
Outras Culturas com resultados satisfatórios: Batata, Citros, Figo, Maçã, Pera e Uva.


COMPOSIÇÃO DO KIT
– 100g de sulfato de cobre;
– 100g de cal virgem;
– 160g de sulfato de magnésio;
– 40g de sulfato de zinco;
– 20g de ácido bórico;

UTILIZAÇÃO
A Calda Viçosa é utilizada em hortas, pomares e plantas ornamentais devido à sua grande eficiência no controle de várias doenças causadas por fungos (míldio, ferrugem, requeima, pinta preta, cercosporiose, antracnose, manchas foliares, podridões, entre outras), apresentando efeito secundário contra bacterioses. Tem também efeito repelente contra alguns insetos, tais como: cigarrinha verde, cochonilhas, trips e pulgões, além de fornecer micronutrientes.
O seu uso é permitido na agricultura orgânica, pois seus componentes são pouco tóxicos, além de contribuir para o equilíbrio nutricional das plantas, pois contêm micronutrientes (boro, zinco) e macronutrientes (cálcio e magnésio).
A aplicação deve ser feita a cada 30-45 dias, e deve ser preparada no mesmo dia de seu uso.

 

MODO DE PREPARO
1° Passo – Preparo do leite de cal
Em um vasilhame, prepare o leite de cal misturando 100g da cal em 10 litros de água. Neste procedimento, é fundamental tomar cuidado com a cal, que em contato com a água esquenta e pode queimar. Além disto, o “leite de cal” pode entupir os bicos do pulverizador. Para evitar este evento, sugerimos que você coe o leite de cal em um pano.

2° Passo: dissolução dos sulfatos (sais)
Em um outro vasilhame coloque 10l de água.
É necessário fazer a dissolução dos sais (ácido bórico, sulfato de zinco, magnésio e cobre).
Para isso, coloque-os em um saco de pano, feche e mergulhe na água. Deixe de molho.

3° Passo: mistura dos ingredientes
Coe o leite de cal (passo 1) em pano ou tela fina, evitando o possível entupimento do pulverizador.
Despeje a mistura preparada no 2° passo sobre o leite de cal (passo 1). 

 

IMPORTANTE
A coloração ideal da calda é azul.
É importante que o equipamento pulverizador seja capaz de propiciar uma distribuição uniforme das gotas sobre a planta, inclusive na parte inferior das folhas, promovendo uma boa cobertura da calda viçosa; desta forma, sendo mais eficiente na prevenção de doenças.
A ordem para misturar os materiais é muito importante. A solução com os sais é que deve ser adicionada à solução da cal, não o contrário, pois vai haver coagulação da calda e, consequentemente, sua perda para o uso.
Nunca utilize objetos metálicos para misturar.
Se a cal estiver velha, a mistura pode ficar com aspecto de coalhado, sendo assim, não deve ser utilizada.

1205
44
Kit Calda Viçosa - 20 Litros (5 Itens)
Foram encontrados

28 produtos

nesta categoria

Seo Text

Phasellus tempus. Quisque ut nisi. In ut quam vitae odio lacinia tincidunt. Nullam dictum felis eu pede mollis pretium. Mauris turpis nunc, blandit et, volutpat molestie, porta ut, ligula.Phasellus accumsan cursus velit. Fusce risus nisl, viverra et, tempor et, pretium in, sapien. Phasellus dolor. Donec sodales sagittis magna. Aliquam eu nunc. Etiam rhoncus. Maecenas egestas arcu quis ligula mattis placerat. Fusce fermentum. Nam commodo suscipit quam. Aenean viverra rhoncus pede.

Saiba mais